Marrocos



O destino

Marrocos


A Terra do Sol Poente

Marrocos, um reino ensolarado no noroeste da África, surpreende aos que imaginam apenas paisagens desérticas pela sua diversidade de elementos naturais com lagos e cachoeiras assim como desertos e montanhas.

Quem diria que da aridez do país desértico surgem cachoeiras de 60 metros de altura e florestas com cedros centenários? Não se esquecendo dos 1.100 quilômetros de litoral dividido entre as águas claras do oceano Atlântico e do Mar Mediterrâneo e da neve que pontua os cumes da Cordilheira Atlas no inverno.

É comum associarmos o país ao deserto do Saara, uma vez que metade de seu território é ocupada por desertos, dando origem ao próprio do país: Marrocos - "A Terra do Sol Poente".

Desse ambiente caloroso e desértico, surgiram estórias e personagens que ajudaram a criar no país a aura de um lugar mágico e reino dos sultões árabes conquistadores. Existem também belos lugares cuja imaginação dos oásis provenientes de filmes são absolutamente verídicas.

Quando ir ao Marrocos? Lá as temperaturas oscilam muito. No litoral mediterrâneo podem chegar a 10 graus no inverno entre janeiro e fevereiro quando as chuvas são constantes. Já em julho são registradas temperaturas de 45°C no interior de Marrocos chegando a 50°C no deserto.

As principais cidades marroquinas (as cidades históricas, imperiais, que fundamentaram a colonização árabe islâmica, a partir do século VII e se tornaram centros políticos de sua época) são quatro: Fez, Marrakech, Rabat e Meknés.

Em todas são encontrados traços que caracterizam a tradicional arquitetura urbana marroquina: uma medina (centro comercial e residencial), uma mesquita central, o palácio real, o mellah (bairro judeu) e os suqs (mercados), tudo cercado por uma muralha que servia para fortificar a cidade.


Lua de Mel em Marrocos

Casablanca


A cidade habita o imaginário universal depois que ganhou fama com o filme homônimo de l942, quando serviu de cenário ao tórrido romance de Humphrey Bogart e Ingrid Bergman durante a Segunda Guerra Mundial. Ao menos neste caso, cinema é fantasia, pois nenhuma cena do filme foi gravada ali.

Na verdade, Casablanca é uma cidade portuária e industrial, cujo nome tem sentido literal: a primeira casa construída depois do terremoto que destruiu a antiga cidade berbere de Anfa em 1755, era branca para servir como ponto de referência aos viajantes que cruzavam o país e aos navios que se aproximavam da costa. Os árabes traduziram a expressão para Dar El Beida, mas os mercadores espanhóis vindos um século depois oficializaram o nome atual e mantiveram a característica básica da arquitetura da cidade: as casas, como Rabat, são todas brancas.

Todas as cidades, são curiosamente definidas por uma cor básica de suas construções: Marrakech é a cidade vermelha, Meknés, a verde;Fez é amarela. Rabat, a cidade branca do litoral atlântico e a única das cidades imperiais que conserva sua importância política: a capital do país.

Fez, a capital intelectual do país, é considerada patrimônio histórico da humanidade pela Unesco. A cidade se divide em dois lados totalmente distintos: Fez Bali, ou a "cidade velha", e Fez Jedid, a "cidade nova".

Fez Jedid sem muitos atrativos, é marcada pela presença do suntuoso palácio Dar El Makhzen. Fez Bali, por sua vez, concentra a maior e mais complexa medina do mundo árabe, um enorme labirinto de vielas apertadas e tortuosas.

Somente um lugar em todo Marrocos supera o ritmo frenético de Fez: Djemaa El Fna, um mercado montado numa praça circular no centro de Marrakech, um lugar com toda a mágica de Marrocos. O movimento começa cedo com o sol já ardendo sob a cidade: encantadores de serpente, mágicos, malabaristas, acrobatas, muçulmanos sentados em tapetes lendo o Alcorão, dentistas que exibem milhares de dentes extraídos como prova de sua competência. Tudo acontece ao mesmo tempo, e o tempo ali nada mais é do que a soma dos segundos que definem novos sentidos.